Julio Cesar da Costa

0
46

Prototipagem: metodologia Lego Serious Play ajuda empresas a desenharem futuros possíveis

 

Julio Cesar da Costa – fundador da Think Marketing e facilitador do Lego Serious Play no Brasil

 

Com o final do ano se aproximando é possível ver uma movimentação nas empresas que estão elaborando o planejamento estratégico, traçando metas e desenhando novos cenários para o próximo ano. É geralmente nessa época que surge também novas ideias de produtos e serviços, e junto com os novos rumos surge também a incerteza de sucesso. Nesse sentido prototipar é fundamental para separar boas ideias de negócios inviáveis.

 

Analisar e resolver problemas de forma visual tem se tornado a maneira mais fácil de testar hipóteses de mercado. O protótipo é uma forma de encontrar vulnerabilidades, equívocos e oportunidades de melhoria mesmo antes de lançar a novidade no mercado. A metodologia Lego Serious Play (LSP) tem despontado como uma nova aliada dos que precisam lançar um produto minimamente viável. Desenvolvida em 1996, pelos professores Johan Roos, Bart Victor e David Owens, além do executivo da Lego, Robert Rasmussen, a técnica visa ampliar a criatividade e possibilitar uma nova forma de aprendizagem aos adultos. Uma ferramenta poderosa em várias situações empresariais, em especial na difícil hora de planejar.

 

Entre as premissas do LSP estão conceitos como as Reuniões 80/20. Nele, entende-se que em média apenas 20% dos participantes estão realmente engajados. Isso quer dizer que a esmagadora maioria está desconcentrada, executando atividades paralelas por meio de smartphones, ou simplesmente desconectada do que está sendo feito. Com a metodologia, isso não é possível, já que os blocos são montados individualmente e a participação de cada um é vital para o todo.

Outra técnica bastante explorada é a construção de cenários por meio dos objetos de LEGO. Usando as ferramentas desse brinquedo, os executivos e suas equipes soltam a criatividade e constroem do zero um produto novo, ou mesmo uma simulação de mercado e negociação. Ajudando a todos os membros a visualizarem as oportunidades e fraquezas da proposta que está sendo testada.

 

Outra grande vantagem de prototipar dentro da metodologia LSP é o uso das mãos nesse processo. Nossas mãos estão conectadas com 70 a 80% das nossas células cerebrais. O cérebro tem uma limitação na quantidade de informação que consegue processar de maneira consciente, no entanto, as mãos não têm esse problema com a quantidade de movimentos. Elas ajudam o cérebro a guardar informações por meio dos movimentos que fazem, auxiliando as conexões neurais a percorrerem o mesmo caminho e ajudando no processo de memorizar informações. Um bom exemplo é que quando esquecemos uma senha, temos grandes chances de nos lembrarmos dela se repetirmos o gesto, simulando a digitação.

O ambiente descontraído é outra grande vantagem na hora de desenvolver um protótipo usando LEGO. A metodologia favorece o uso de metáforas que proporcionam um papel prático e construtivo na cognição humana. O esquema de pensamento figurado é uma forma recorrente do ser humano dar um sentido mais profundo à sua compreensão de realidade. Uma vez que estamos testando hipóteses fazer isso de maneira lúdica e visual ajuda na compreensão e antecipação de problemas.

 

Com os ciclos de mudança cada vez mais rápidos não é mais possível planejar e desenvolver um produto durante anos. As empresas precisam ser ágeis durante seu processo de validação sem arriscar sua credibilidade com hipóteses não testadas. O conceito de prototipagem e produto minimamente viável veio ajudar na tomada de decisão. Do ouro lado o LSP tem trazido um novo jeito de desenvolver experimentar esses cenários.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here