Luiz Fernando Diniz

0
45

Por Luiz Fernando Diniz, diretor de produtos da Webmotors.

 

Precisamos debater o futuro da mobilidade e você deveria participar dessa conversa

 

Como vai ser a mobilidade daqui há cinco ou dez anos? Será com carros compartilhados, autônomos e inteligentes? Essa é a tendência: hoje, 34% dos jovens norte-americanos não sonham em ter seus carros próprios; 96% dos acidentes de trânsito atualmente são causados por erro humano; 12% do salário do brasileiro, em média, é gasto com transporte e 29% dos carros noruegueses já são elétricos. Esses dados dizem muito sobre o futuro, por isso, trabalhamos fortemente investindo em tecnologias que permitem, cada vez mais, vendermos carros pensando na solução da mobilidade.

 

Esse futuro pode ser lindo, mas o presente traz ainda uma grande preocupação: 68% das empresas não estimulam transporte alternativos, segundo uma pesquisa do IBOPE do ano passado. Isso reflete diretamente na sociedade. Basta ver que 22% das pessoas responderam que mudariam de emprego para ganhar menos e morar mais perto do trabalho. Além disso, 43% respondeu que talvez também mudasse. Dura realidade!

 

Somos uma empresa tradicionalmente digital, com mais de 20 anos de existência, e que se preocupa constantemente em transformar o jeito com que as pessoas se relacionam no setor automotivo. Um bom exemplo foi um programa de aceleração que criamos recentemente para encontrarmos startups ligadas às transformações como mobilidade e carros conectados.

Precisamos acompanhar e entender o contexto que a mobilidade converge, isso é fundamental. Até o final deste século quase 90% da população da Terra estará vivendo em centros urbanos. O Brasil não é exceção e hoje o país tem quase 20 cidades com mais de 1 milhão de pessoas, as maiores delas concentradas nas regiões metropolitanas de São Paulo, com 20 milhões, e Rio de Janeiro, com cerca de 11 milhões.

 

Para melhorarmos a qualidade de vida precisamos discutir mais sobre mobilidade, que é um tema protagonista quando o assunto é o acesso a serviços e oportunidades de trabalho e lazer. Para se obter qualquer coisa, conseguir chegar é fundamental. Atendimento médico, escola, entrevista de emprego, supermercado, passeio no parque no final de semana e muitas outras coisas. Tudo está atrelado ao seu deslocamento.

 

Para acompanhar essa evolução é que estamos firmando parcerias que possibilitarão explorar novos modelos de negócio, oferecendo diferentes soluções que entreguem valor ao usuário dentro da jornada de compra e venda de um veículo. Para melhorar ainda mais a nossa eficiência investimos fortemente nos últimos dois anos em inteligência de marketing, a partir de soluções tecnológicas.

 

Não podemos nos conformar que, em São Paulo, o Paulistano gaste em média 3 horas no trânsito por dia. Isso significa que o carro fica parado em estacionamentos em média 87,5% do tempo ou 320 dias por ano. As perspectivas para o futuro da mobilidade, são fortemente baseadas na tecnologia, claro, respeitando as diferentes cidades, com diferentes contextos, inevitavelmente farão diferentes escolhas e seguirão diferentes caminhos.

Há muitas questões em aberto nesta área e estamos apenas iniciando uma discussão que terá um longo caminho, contamos com sua participação para fazer um futuro melhor.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorRodrigo Sanvicente
Próximo artigoArthur Bender

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here