ALINE BEZERRA-06-08-2018

0
27

MASSIFICAR OU SEGMENTAR, EIS A QUESTÃO!

Por Aline Bezerra, gerente de contas da NewBlue

Quase toda empresa, seja ela grande ou pequena, uma hora ou outra acaba apostando em uma estratégia de marketing para se posicionar no mercado, conquistar clientes e alavancar suas vendas/exposição. Quase todas elas também ficam em dúvida na hora de construir as campanhas para alcançar esses objetivos: qual o melhor caminho? Massificar a comunicação ou segmentá-la? Apostar somente na performance ou no brand? Focar em resultados a curto ou longo prazo?

O chamado Marketing de Performance nasceu com o advento do Google, há cerca de 20 anos. Ficou conhecido por utilizar componentes matemáticos para gerar resultados de negócios para os anunciantes. Trouxe ainda o bônus de permitir uma mensuração de retorno desses investimentos e a readequação rápida deles sempre que necessário. Mas o céu de brigadeiro escondia algumas tempestades.

É claro que apostar na performance é essencial. Mas, na busca por atingir aquele usuário específico em seu momento de compra ideal, as marcas deixaram para trás a construção da visibilidade e do desejo, características básicas dos sucessos de outros tempos. Pense por um segundo: a maioria das marcas que você ama hoje surgiram quando? Em que momento você percebeu que elas eram essenciais para você?

O caminho para corrigir esse ponto e unificar o melhor dos dois momentos – performance e criação de desejo –, como o próprio nome já sugere, está no brandformance. Algumas empresas já seguem essa estratégia, com grandes campanhas de posicionamento digital que conseguem converter valor e interesse em vendas e resultados.

O Brandformance une os conceitos de branding com o uso de dados do Marketing de Performance. Desta forma, é possível formar uma metodologia sólida que muitas vezes viabiliza uma gestão muito próxima de aspectos que antes considerávamos intangíveis. Além de trazer grandes vantagens, como atingir mais pessoas e alcançar os objetivos com o mesmo investimento ou até menos, o Brandformance permite que a gente aprenda ao longo da campanha quais os melhores canais, frequências e especificações para atingir aquele objetivo.

A ideia do Brandformance está baseada em uma estratégia linear, que começa com o usuário. É a partir desse conhecimento (quem ele é, qual a melhor forma de alcançá-lo, quais seus interesses etc) que todo o storytelling será construído. Esse mapeamento perfeito permite construir uma campanha de impacto, totalmente personalizada para se chegar a conversão final.

O segredo está em uma estratégia focada, desde o início, no usuário. É dentro desse universo que trabalhamos o conceito de Brandformance, estando presente na vida do usuário durante todo o seu ciclo. Aplicamos a estratégia desde quando começamos a gerar visibilidade da marca/produto, passando pelo engajamento, até fazê-lo despertar interesse para que a conversão aconteça. Hoje, não há mais espaço para um marketing massificado, mas sim para uma conversa direta com o usuário quando e da forma que ele mais precisa.

(Fonte: Propmark)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here