UM MUNDO MELHOR-01-11-18

0
11

UM MUNDO MELHOR

Eu quero construir um mundo melhor! Eu quero fazer o bem! As duas são expressões comuns, ouvidas em todos os níveis sociais. Mas o que elas realmente significam

Muitas pessoas se sentem incomodadas com a situação do ambiente onde vivem e querem “construir um mundo melhor” para seus filhos e netos. Essa expressão é encontrada nos discursos de todas as manifestações políticas e filosóficas desde que se tem registros escritos.

No primeiro momento pode parecer que se está intencionando uma ação sobre a natureza. Nas últimas décadas tem sido lema de ambientalistas, preocupados com a degradação que o homem vem infligindo ao planeta com a utilização de processos e descartes de maneira irresponsável. A industrialização, ao lado dos benefícios, trouxe consequências desastrosas.

A poluição industrial, que lança milhares de toneladas de dióxido de carbono no meio ambiente todos os dias, arrebenta com a camada de ozônio e com a qualidade do ar que respiramos. O uso intensivo de defensivos agrícolas e inseticidas se, por um lado, aumentaram a produção de alimentos como nunca visto, jogam em rios, nascentes e mananciais uma quantidade de veneno que deformam e matam.

As cidades, essa criação orgulho da humanidade, com milhões de carros, ônibus, caminhões etc., geram degradação do ambiente e da qualidade de vida. Os descartes, sobras das atividades industriais, comerciais e vida doméstica, poluem com materiais que levam séculos para se decompor. Os mares estão infestados, a terra geme com as montanhas de lixo e tóxicos despejadas diariamente no solo.

Leis, políticas e campanhas para controlar e evitar a degradação existem e em grande escala. Mas, na maioria das vezes, não passam de cartas e discursos de boas intenções.

A primeira é corretiva. Corrigir os danos já feitos e minimizar ações que tornam o mundo “pior”. Campanhas contra a poluição, de todas as formas, é uma das formas.

A segunda é preventiva. Criar ações que inibam as pessoas, individualmente ou coletivamente através das organizações, é uma forma positiva de “construir um mundo melhor”. 

Mas tudo isso se resume em ações sobre e com as pessoas. São essas que criaram ou criam um “mundo pior” como esse que está aí. A violência, real ou simbólica, só existe nas ações das pessoas.  Só vamos construir um mundo melhor se construírmos pessoas melhores, estruturas sociais mais justas e comprometimento com os valores humanos acima dos valores econômicos. Você quer “construir um mundo melhor” para seus filhos, comece se construindo, com ações e atitudes melhores, com sua família e amigos. O não-fazer nada, entrincheirar-se em um individualismo egoísta e alienado, já é contribuir para “um mundo pior”.

Quanta coisa essa expressão pode significar! Pode representar ações de amor ao próximo, oriundas de convicções pessoais, religiosas, filosóficas ou ideológicas. É a constatação e a compreensão que fazer o bem é construir pontes entre o real e o ideal da concretitude social. Milhares de pessoas, em qualquer ambiente, precisam de ajuda. Ajuda que pode vir na forma de um simples prato de comida, até um medicamento ou uma orientação para um problema vivenciado.

Muitas vezes se pensa que fazer o bem é desenvolver assistência social. É inegável que ações sociais, especialmente as emergenciais, tem o seu lugar e relevância. Mas não se limita e nem se esgota nisso.

Fazer o bem, pode significar, e muitas vezes significa, criar uma oportunidade, capacitar para uma ação mais duradoura. Fazer o bem tem de ser entendido como a construção social através de uma intervenção nas estruturas que dificultam a vida das pessoas. Essas estruturas pode em ser sociais, econômicas, emocionais, relacionais e/ou psicológicas. Se faz o bem ajudando alguém a sair das ruas e tendo um teto, roupas e comida para uma vida com um mínimo de decência. Se faz o bem capacitando alguém para conseguir um emprego e um salário que lhe permita ter dignidade/autonomia econômica para suas necessidades básicas. Mas também, significa ajudar as pessoas a encontrarem caminhos para impactos emocionais degradantes, disfunções relacionais ou psicotraumas que impedem as pessoas de serem pessoal e socialmente ativas.

Quantas pessoas, não tendo necessidades materiais, precisam de ajuda para vencer problemas com doenças, traumas familiares, nós emocionais/pessoais e não encontram, a não ser nos programas profissionais pagos, muitas vezes mais preocupados nos resultados financeiros da ação que no real bem estar das pessoas?

Fazer o bem e construir o mundo melhor é aquela disposição individual e coletiva que ao conduzir para ações, geralmente, faz mais bem a quem pratica que ao “próximo”. Quantas pessoas já se encontraram realizando ações sociais e comunitárias? Num mundo egoísta e individualista, existem muitos apelos para despreocupar-se da construção social. Aqueles que conseguem romper o casulo, descobrem um novo modo de vida, mais gratificante e socialmente relevantes.

Faça o bem e construa um mundo melhor.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here