Ariane Padilha

0
219

Vocação X talentos e habilidades.

Ariane Padilha – Sócia Consultora da Fator G Consultoria

Psicóloga Espc. em Gestão de RH e Mkt/ Espc. em Resiliência

Você lembra dos testes vocacionais? Quando, no auge de nossa adolescência tínhamos que definir nossa vocação nesta vida e escolher um único caminho a seguir? Embora nesta fase escolher uma opção e pensar em fazer isto para o resto da vida, era uma alternativa difícil de elaborar, assim fomos “impulsionados” a descobrir a nossa vocação ou esperávamos ouvir aquele “chamado” vocacional, que muitas vezes nos levava à tentativa e erro, gerando frustração. Então, tomamos o rumo do ambiente corporativo, das 8 às 18h, esperando o final de semana como quem espera um indulto e o contracheque no final mês, como a recompensa por ter “vestido a camiseta”. E o prazer? Este estava no poder e peso que o contracheque nos dava para adquirir coisas.  Quanto mais coisas se pudesse adquirir, mais realizado o profissional era.

O mundo evoluiu, nós evoluímos – e amadurecemos – e a crise nos fez perceber que nem sempre existe um único caminho, que este “chamado”, esta voz que vai dizer para o quê você nasceu, talvez nunca chegue… Agora, também podemos reconhecer e qualificar toda a vivência e experiência que o ambiente corporativo nos deu, sem maiores culpas e frustrações e decidir mudar o caminho a qualquer momento.

Hoje, a mudança do mercado e a flexibilidade das relações e do mundo trabalho, nos permite ampliar o leque de alternativas e caminhos a seguir. E isto passa por entrar em contato com nossos valores, talentos, habilidades, propósito de vida e o que nos coloca em flow. O estado de flow é aquele momento em que suas habilidades e capacidades encaixam-se perfeitamente na atividade, fazendo você fluir ao exercer uma atividade, trazendo prazer e fazendo-o esquecer do mundo à sua volta. Conciliar estes aspectos requer autoconhecimento, auto avaliação, é uma autodescoberta e está muito mais ligado à atividades do que à uma profissão. Descobrir, reconhecer e acolher nossas habilidades nos dá uma maior liberdade e nos permite conseguir entrar em contato com a nossa essência, espírito, alma, ou o que quer que deseje chamar, e descobrir nossa “vocação”. Precisamos olhar para isto, para então fazer a conexão com o “chamado”, não limitando nossas potencialidades e possibilidades.

Dentro de uma abordagem que trabalha os aspectos positivos, as forças e virtudes do ser humano, suas potencialidades e não suas deficiências, vamos começar a percorrer este caminho no dia 21 de outubro, no Seminário REFORMATANDO do Grupo de Atendimento à Veículos/RS. Buscando proporcionar aos participantes um novo olhar para suas potencialidades e ampliar as possibilidades de atuação neste novo modelo de mercado.

 

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAline Barreto
Próximo artigoMariana Boeira

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here