Marília Cardoso-31-05-19

0
14

AS LIÇÕES DE OBAMA PARA O BRASIL

Por Marília Cardoso – jornalista, empreendedora, além de coach, facilitadora em processos de Design Thinking, professora de inovação em universidades e consultora na PALAS, consultoria de inovação e gestão.

O ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deu uma verdadeira aula a milhares de pessoas que lotaram um centro de convenções em São Paulo. Um dos principais motes de sua fala foi a importância da educação.

Obama, que cresceu no Havaí e nunca conheceu o pai, destacou a importância da educação em sua vida. “Minha mãe me ensinou a ser curioso e querer aprender cada vez mais. Precisamos de uma educação que nos prepare para o mundo”, disse.

O ex-presidente também falou sobre o desafio que é sair das cercas imaginárias, impostas pela sociedade aos mais pobres. “Quando ninguém perto de você fez algo grande, as pessoas mais próximas te desencorajam, tentando te proteger. Mas, é preciso vencer seus medos”, contou lembrando sua trajetória.

Resgatando memórias sobre sua vida escolar, Obama destacou o papel do professor como um agente de transformação. “O professor te ajudar a entender a si mesmo, a reconhecer o que te impede de ser o melhor que você pode. Educação tem que ensinar a ver o mundo pelos olhos dos outros e não só pelos seus”.

A diversidade também esteve no foco de seu discurso.  “É preciso garantir a inclusão de pessoas com diferentes perspectivas, origens e experiências. Um bom líder só toma decisões melhores se contar com uma boa variedade de pessoas”. E destacou importância das mulheres: “os homens precisam aprender com elas”, acrescentou.

A educação, segundo ele, é a base para essa inclusão. “Pode ser que na favela está crescendo uma criança que vai descobrir a cura do câncer. Ela só precisa de uma chance. A questão não é uma igualdade perfeita, mas criar condições e oportunidades para todos. Dar uma boa educação e serviço social não é caridade, é condição para o desenvolvimento econômico de um país”.

Em um evento de inovação e tecnologia, Obama não deixaria de abordar a transformação que a inteligência artificial deve causar no modelo de sociedade atual. “As máquinas vão fazer o que é repetitivo, mas só as pessoas podem pensar de forma criativa e inovadora. Os países que entenderem isso, serão melhores sucedidos”.

Ele se diz aberto aos avanços, mas faz ressalvas. “Não quero destruir a inovação ou a liberdade de mercado, mas precisamos projetar um sistema inclusivo. Precisamos pensar em sustentabilidade, cuidar do meio ambiente. É necessário encontrar equilíbrio e, líderes políticos, empresariais e religiosos precisam discutir o assunto”.

Segundo ele, muitas coisas precisam ser revistas. “Você não tem um bom mercado se não tiver um bom governo, boas leis e uma boa infraestrutura. Corrupção e nepotismo impedem o crescimento de um bom mercado”, disse ele reforçando que os impostos deveriam ser um bom investimento para a sociedade.

As questões financeiras também exigem cuidado. “Estamos obcecados pelo dinheiro. Nos esquecemos das condições que permitem que os negócios sejam bem sucedidos. Depois de certa quantidade, o dinheiro não traz mais felicidade. Precisamos rever nossa medida de sucesso. Se somos poderosos e influentes, precisamos ajudar aos outros. Precisamos recompensar. Temos que rever nossos valores”.

A preocupação agora é com as gerações futuras. “Precisamos treinar a próxima geração de líderes. Temos que inspirar, encorajar, dar poder. Os jovens precisam começar a atuar dentro de suas próprias comunidades. Somos responsáveis pela próxima geração”.

Obama também discorreu sobre o papel de um líder. “Nós temos pontos cegos. Como presidente, eu não tinha como saber tudo. Eu só tinha as perguntas certas e me cercava de boas pessoas, capazes de respondê-las. Você só é tão bom quanto a equipe que você constrói. Não é sobre você, é sobre as pessoas que você serve. O líder tem que fazer com que as pessoas atinjam seus sonhos. Não tive uma administração perfeita, mas preservamos a nossa integridade”.

Para ele, a parte mais delicada da liderança é a tomada de decisão. “As decisões são tomadas com base em probabilidade. É preciso se acostumar a não acertar sempre. Eu tinha que criar processos, testar ideais e teorias com base em dados e informações. Não podia ter certeza que estava tomando a melhor decisão, mas eu tinha que garantir que havia olhado tudo com cautela e cuidado para, naquele momento, fazer o que julgava ser o mais certo. Tinha que pensar em todas as variações, deixando o medo de lado”, afirmou.

Os ex-presidente falou ainda sobre uma cegueira social. “As pessoas querem ajustar os fatos de acordo com a opinião que elas já têm. É preciso olhar a realidade, por mais desagradável que ela seja” e, de acordo com ele, estamos na melhor fase da humanidade. “O mundo é muito melhor hoje. Os números mostram o quanto evoluímos em acesso à educação e condições básicas de saúde”.

Para encerrar, Obama deixou uma mensagem aos brasileiros. “Mantenham-se otimistas. Não temos garantias de progresso, mas precisamos ter esperança. Precisamos ir além de nós mesmos para construirmos um mundo melhor

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here