CORONAVÍRUS – AS MARCAS QUE ESTÃO GANHANDO COM O SURTO – 13.03.2020

O coronavírus (Covid-19) continua afetando indústrias. Os segmentos de luxo, de viagens, as grandes redes varejistas e as cadeias internacionais estão sentindo a tensão. Com 95 mil casos confirmados e 3,2 mortes em todo o mundo, a epidemia afetou a atividade econômica global. Apple, McDonald’s, Starbucks e Yum Brands tiveram que fechar lojas em alguns mercados; as empresas estão cancelando eventos do setor ou transformando-os em online; e os consumidores ficam em casa, longe de áreas públicas como cinemas, academias e shoppings. Até o próximo filme de James Bond, inconvenientemente chamado “No Time to Die”, teve que mudar sua estreia de abril para novembro. Mas nem todas as empresas estão sendo afetadas com o surto desastroso. Algumas marcas estão vendo seus produtos se esgotarem em meio à turbulência, confira:

Produtos de limpeza: Lysol e Clorox

Não é surpresa que os produtos de limpeza estejam dominando o mercado. Os corredores das lojas nos Estados Unidos estão vazios e os preços estão subindo. O Lysol, da Reckitt Benckiser, registrou um dos melhores desempenhos. Os desinfetantes em spray, liderados pelo Lysol, tiveram um incremento de vendas de 32% em relação ao ano anterior, segundo a Nielsen. “Estamos vendo um aumento da demanda por produtos Dettol e Lysol e estamos trabalhando para apoiar as autoridades e agências de saúde relevantes, inclusive por meio de doações, informações e educação”, disse a empresa.

O Lysol é uma das únicas marcas de limpeza que mencionaram o coronavírus em sua comercialização. No Facebook, compartilhou maneiras de mantê-lo sob controle, por exemplo. Na redes sociais, está liderando as menções entre as marcas de limpeza, com mais de cem mil desde 1º de janeiro. Elas atingiram o pico em 27 de fevereiro quando foram mencionadas sete mil vezes, um aumento de 750% nas menções diárias, de acordo com a empresa de análise de dados Brandwatch.

A Clorox, por exemplo, é uma das poucas ações a se sair bem em meio a uma ampla queda do mercado nas últimas semanas, quase 10% desde o dia 3 de fevereiro. As vendas de toalhas desinfetantes Clorox aumentaram 9,8% nas quatro semanas que terminaram em 22 de fevereiro, segundo dados da Nielsen da Bernstein Research. Enquanto a Clorox está fornecendo informações em seus sites e mídias sociais sobre como usar seus produtos para desinfetar superfícies, a diretora de marketing da Clorox, Stacey Grier, disse: “O que não fazemos é temer o mercado”.

Outro destaque: Purell

Purell, da Gojo USA, é outro sobrevivente do surto. O desinfetante para as mãos está esgotado em todo o mercado norte-americano, mesmo em partes dos EUA, como Ohio, que ainda não declararam um caso verificado da doença. As vendas de desinfetantes para as mãos aumentaram 54% na semana encerrada em 22 de fevereiro, de acordo com a Nielsen. Nesta semana, Purell estava fora de estoque em grandes varejistas como Walmart, Walgreens, CVS e Rite-Aid em todo o país. Online, aqueles que estavam determinados o suficiente, podiam comprar Purell de terceiros na Amazon. Um porta-voz do Gojo disse que a empresa começou a aumentar a produção.

No final de janeiro, a Food and Drug Administration emitiu uma carta de advertência dizendo ao Gojo para parar de fazer alegações não comprovadas de que Purell ajuda a eliminar o Ebola, o MRSA ou a gripe. Portanto, a empresa está tomando cuidado para não afirmar que seu desinfetante para as mãos mata o coronavírus. No entanto, seu desinfetante de superfície é regulamentado pela Agência de Proteção Ambiental e, portanto, a empresa pode declarar que o produto “pode ​​matar o Covid-19 em superfícies duras e não porosas”.

Produtos de proteção: 3M

Embora os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças tenham recomendado que a maioria das máscaras cirúrgicas não impeça as pessoas de receber o coronavírus, parece que isso não está afetando as vendas. O Nielsen informou que, durante as quatro semanas até 22 de fevereiro, as vendas de máscaras médicas mais que quadruplicaram e as de manutenção doméstica mais do que triplicaram em relação ao ano anterior.

A 3M, fabricante de máscaras respiratórias, parece liderar a produção. As máscaras de respirador da 3M se uniram ao Clorox Disinfecting Wipes: os dois produtos apresentaram os maiores aumentos de demanda na Amazon na semana passada, de acordo com uma análise da Profitero. Os EUA também estão buscando 35 milhões de máscaras adicionais por mês da 3M e pretendem comprar mais de 500 milhões nos próximos 18 meses, segundo a Reuters.

Serviços de entrega online e de alimentos: Instacart

À medida que as pessoas vão para seus computadores para estocar tudo, desde desinfetante para mãos até papel higiênico, serviços de entrega de comida como o Uber Eats acreditam que também verão aumento da demanda. Segundo dados do NPD, houve um crescimento de 20% nos gastos com entrega de alimentos na China em janeiro, em comparação com o mesmo período do ano passado.

“Certamente nosso negócio de transporte, na medida em que as pessoas parem de sair de casa, sofrerá um impacto, enquanto nosso negócio Eats provavelmente se beneficiará”, disse o CEO da Uber, Dara Khosrowshahi, na quarta-feira, falando em uma conferência em San Francisco.

O aumento da demanda por serviços de entrega maiores, como Amazon, eBay e Walmart, também pode estar levando as pessoas a experimentarem serviços menores, como o Instacart. A Amazon, por exemplo, está enfrentando escassez de produtos. Já o Instacart também está comunicando escassez, mas está vendo uma demanda maior. Na quarta-feira, um porta-voz da Instacart disse à CNBC que a demanda por seus serviços havia aumentado 10 vezes nas 72 horas anteriores, enquanto sua taxa de crescimento aumentou 20 vezes na Califórnia, em Washington, no Oregon e em Nova York.

Alimento não perecível: Oatly e Campbell’s

Nesta semana, a Nielsen publicou um estudo mostrando o que as pessoas estavam armazenando em resposta ao surto de coronavírus. Nele, registrou que houve um aumento nas pessoas que compram alimentos não perecíveis, como feijão enlatado, snacks de frutas e biscoitos. Uma categoria surpreendente estava liderando o aumento: as vendas de leite de aveia aumentaram em mais de 300% na semana de 22 de fevereiro. O leite de aveia chegou a superar picos de desinfetantes para as mãos (54%) e desinfetantes em spray (19%). Boas notícias para Oatly, que lidera a categoria. No Facebook, a marca até fez um post atrevido sobre o estoque de seu produto. Na plataforma, também abordava algumas falhas que estava ocorrendo.

Enquanto isso, o CEO da Campbell Soup Co., Mark Clouse, disse à CNBC na quarta-feira que está aumentando a produção de sopa para se preparar para atender ao aumento da demanda por causa do coronavírus. Clouse informou que houve um aumento na demanda por varejistas online e de lojas no fim de semana passado. “Elevamos esse nível de produção para poder maximizar nosso estoque e estar preparado para o que acontecer aqui”, disse Clouse. As ações da Campbell Soup subiram 10% na quarta-feira.

Serviços de streaming e entretenimento doméstico: Netflix

Enquanto as pessoas buscam se afastar do vírus, passam mais tempo em casa. O que eles estão fazendo em casa? Usando serviços de streaming, é claro, e há mais opções do que nunca com Disney +, Apple TV Plus e outros que serão lançados em breve como Peacock, HBO Max e Quibi.

A Netflix tem sido um destaque até agora. Seus 61 milhões de assinantes nos EUA parecem estar assistindo e investindo no serviço. As ações da Netflix continuaram subindo, mesmo com o S&P 500 tendo registrado seus piores declínios desde 2008. Na semana passada, as ações da Netflix subiram 5%, à medida que o mercado geral caiu 5%. Esta semana, essa tendência só continua. Na quarta-feira, as ações da Netflix subiram 4,1%, para US $ 383,79, seu segundo pico mais alto desde a abertura do serviço de streaming ao público.

“Estamos aumentando nossos números de assinaturas, alcançando o planejado para o primeiro trimestre, principalmente devido ao que acreditamos ser um efeito de ‘encapsulamento’, por conta dos temores em torno do coronavírus”, disse David Miller, analista da Imperial Capital, em nota aos clientes. Ele prevê que a Netflix trará 7,5 milhões de novos assinantes de streaming em todo o mundo no primeiro trimestre.

Home fitness: Peloton

Frequentadores das academias estão longe delas, pois são locais de contágio. Muitos estão optando por malhar em casa. O Peloton, que vende bicicletas estacionárias para exercícios em casa, parece estar se beneficiando. Na quarta-feira, as ações da Peloton subiram 2%.

“Com os novos hotspots Covid-19 na Coréia do Sul, Itália e Irã, acreditamos que certos consumidores dos EUA se sentirão menos confortáveis ​​ao longo do tempo indo à academia e mais propensos a pedir uma bicicleta Peloton para ficar em casa. Isso pode aumentar as vendas e assinaturas de unidades”, escreveu a analista da Needham Laura Martin em uma carta aos clientes.

Nos EUA, os aplicativos de saúde e fitness estão em alta. Em fevereiro, os downloads móveis aumentaram 5% em relação a 2018 e registraram um salto de 40% em relação ao ano anterior em janeiro, de acordo com a empresa de análise App Annie, embora as resoluções de ano novo também possam ter um papel nesses números.

Videoconferência virtual: Zoom

Com uma tonelada de eventos sendo movidos para o mundo digital devido a temores de contaminação por coronavírus, as opções de videoconferência virtual como o Zoom estão se tornando mais populares. Na semana passada, Adobe, Google, Facebook, Starbucks e Shopify moveram seus próximos eventos para o mundo online.

O Zoom, que oferece serviços de reuniões por vídeo e voz e webinars, viu seu estoque subir 47% em um mês. Na quinta-feira, a empresa anunciou seus ganhos no quarto trimestre e viu sua receita subir 78%, para US $ 188,3 milhões, em comparação com US$ 105,8 milhões do ano anterior. O serviço agora tem 81.900 clientes. Em um webinar após os resultados, o CEO Eric Yuan disse: “Foi um final forte para o ano fiscal”, mas espera que o impacto do vírus seja temporário.

Varejistas: TJ Maxx

Os grandes varejistas estão lutando com funcionários em quarentena e enviando seus produtos para o exterior, enquanto sites de aluguel de roupas como Rent the Runway tomam precauções sobre a disseminação de bactérias e alertam os clientes sobre como estão limpando suas roupas. Mas os varejistas com preços baixos provavelmente serão mais resistentes ao surto. Eles são menos dependentes do fornecimento externo da China, onde muitos varejistas tradicionais estão enfrentando atrasos na cadeia de suprimentos. A maioria das empresas de descontos já possui mercadorias em estoque e está pronta para vender. As ações das empresas TJX, controladoras da TJ Maxx, subiram 7% na semana passada e, nos lucros do quarto trimestre, registraram uma receita de US $ 12 bilhões, com as vendas nas mesmas lojas subindo 6%.

Menção especial: Corona

A cerveja Corona da Constellation Brands indiretamente se viu imersa na conversa sobre o coronavírus, simplesmente porque compartilha um nome. A correlação que alguns consumidores estão fazendo entre a cerveja e o vírus pode se tornar um estudo de caso para aqueles que acreditam que toda publicidade é boa publicidade. O CEO da Constellation Brands, Bill Newlands, falou sobre uma pesquisa de relações públicas que recebeu que informou que “38% dos americanos que bebem cerveja não comprariam Corona sob nenhuma circunstância agora”. Newlands afirmou que as vendas realmente aumentaram, apontando para as vendas no varejo da IRI que mostraram que o Corona Extra teve um incremento de vendas de 5% no período de quatro semanas que terminou em 16 de fevereiro. A Brandwatch diz que o termo “corona”, seja referente à cerveja ou ao vírus, foi mencionado mais de seis milhões de vezes no ambiente online desde 1º de janeiro … e isso é muito reconhecimento de nome, bom ou ruim.

 

(Fonte: Ilyse Liffreing, do Advertising Age)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *