NOTAS DA SEMANA -15.05.20

GRUPO RBS

A determinação dos gaúchos em combater o coronavírus trouxe a oportunidade de retomar algumas atividades, mesmo com restrições. Ciente da importância dos cuidados individuais para o enfrentamento da doença, para que possamos avançar, sem retroceder, o Grupo RBS lança hoje a campanha “Responsabilidade é esperança”, nova fase da mobilização #juntoscontraovírus. Como parte da comunicação, a marca reforça as principais recomendações para evitar a Covid-19, como usar máscaras, evitar aglomerações e intensificar os hábitos de higiene.

Não por acaso, o lançamento ocorre na semana em que entrou em vigor no Rio Grande do Sul a nova etapa de distanciamento controlado. Agora, mais do que nunca, é preciso ter ciência da importância da disciplina e da responsabilidade de cada um para que, juntos, possamos sair mais rápido desta pandemia. Essa fase da mobilização contará com peças publicitárias em jornal, TV, rádio e digital e conteúdos nas redes sociais da RBS. O assunto também tem sido valorizado diariamente em matérias em todos os veículos do Grupo RBS.

– O momento que estamos vivendo é decisivo. Mesmo que infelizmente não tenhamos certeza de quando tudo isso poderá acabar, já sabemos que nossas atitudes aumentam ou minimizam o grau de intensidade da crise. Se tivermos responsabilidade e seguirmos as orientações dos órgãos de saúde, poderemos seguir avançando. Caso contrário, será um retrocesso e as perdas poderão ser ainda maiores em todas as dimensões. Temos de olhar essa crise na perspectiva da saúde e da economia. Um modelo que equilibre essas duas variáveis é o mais adequado agora e ele depende muito do nosso comportamento, como cidadãos. O Rio Grande do Sul e os gaúchos vêm dando boas provas de que têm essa consciência, mas é nosso papel, como empresa de comunicação, amplificar o entendimento – destaca o CEO do Grupo RBS, Claudio Toigo Filho.

Alinhada a esta visão, nos próximos dias será divulgada a campanha “Responsabilidade. Vista essa causa”, que tem como objetivo conscientizar o público sobre uso de máscaras. Para isso, Grupo RBS, Renner e Lebes firmaram uma parceria e irão doar 200 mil máscaras de tecido para comunidades carentes do Estado, além de apoiar a cadeia têxtil combalida pela crise econômica.

Sobre a ação #juntoscontraovírus – Além de valorizar todo o conteúdo que vem sendo produzido nos veículos da empresa, o movimento tem o objetivo de acompanhar, com os gaúchos, tudo que esse momento vai significar e dar luz a quem está fazendo a diferença.

E21

A Kepler Weber é a marca líder na América do Sul em armazenagem e movimentação de grãos. Praticamente sinônimo de silos/armazenagem de grãos com soluções de alta tecnologia, para muitas gerações de agricultores.

A empresa está completando 95 anos em plena era do Covid-19, uma longevidade que não é qualquer marca que alcança de forma sólida e vencendo momentos históricos tão desafiadores quanto este.

Para destacar a data, a e21 criou uma série de ações ao longo do ano que buscam identificar nos valores da marca os elementos que sintetizam o que a KW representa para o agronegócio brasileiro, segmento no qual ela é uma das protagonistas.

Um desses valores é a inovação.

E foi de um jeito inovador que a e21 criou um vídeo – todo ele em motion-graphics (dado que as produções com abertura de câmera estão absolutamente restritas) – para contar um pouco da trajetória da Kepler Weber.

Fugindo dos clichês de fotos antigas e evoluções fotográficas, a agência criou um storytelling diferente, através de ilustrações, dando mais poesia e movimento para a história.

O resultado foi uma peça diferenciada, marcante e única. Como a marca merece.

FEEVALE

Desde o primeiro comunicado relativo à Covid-19, em 15 de março deste ano, a Feevale sempre se posicionou atendendo às recomendações oficiais em âmbito municipal, estadual e federal. Mais que isso, diante do cenário de pandemia, a Instituição sempre priorizou a segurança máxima e a saúde de todos os seus alunos, professores, funcionários e parceiros.
Embora já aconteça em muitos setores, na educação ainda não se implementou alguma flexibilização e o isolamento físico segue recomendado pelas autoridades. Diante disso, da preocupação com o bem-estar de todos e de uma avaliação extremamente positiva – por parte de alunos e professores – das aulas na modalidade online, a Feevale comunica que continuará atuando remotamente até a conclusão deste semestre.

RECORD TV

Entre abril de 2019 e abril de 2020, o jornalismo da Record TV RS aumentou em 16% o perfil de público da classe AB no jornalismo local.
O maior resultado foi registrado pelo Rio Grande Record, exibido às 19h, com 81% de crescimento no perfil AB. O Cidade Alerta RS, exibido às 18h, também obteve bom crescimento no público: 43%.
O jornalismo nacional da emissora também está sendo mais acompanhado pelo público AB do RS. Pela manhã o Fala Brasil cresceu 20% e, no horário nobre, o Jornal da Record aumentou em 30% a participação no perfil.

Fonte: Kantar IBOPE MW, Gde Porto Alegre, abril 2020 x abril 2019, variação no perfil de público (adh%).

AOD CUNHA

O ex-secretário da Fazenda do Rio Grande do Sul (2007-2009), Aod Cunha, comparou dois cenários que marcam a economia global: Crise econômica de 2008 e Pandemia de coronavírusAod possui reconhecida experiência de mercado e já lidou com situações “espinhosas”, tal como as finanças do RS. A mediação do painel foi da presidente Simone Leite e do vice-presidente, o economista Fernando Marchet.

O economista ilustrou que na crise de 12 anos atrás, a economia global estava forte ”tínhamos uma China crescendo 12% ao ano, EUA com 4% e Europa na casa de 2,5%. O crédito era farto. Na época havia “gordura”. O cenário agora é outro: crédito escasso, dívida pública alta e queda de crescimento, no caso da China e EUA, na casa de 50%”, disse.

Aod cobrou que o Poder Público continue no controle dos gastos e que “não se perca a mão” na política fiscal do País. Os números projetados pelo ex-secretário são preocupantes, principalmente se forem confirmados. Atrelados a cenários de prorrogação do Auxilio Emergencial e outras ferramentas de ajuda às empresas e demais integrantes da economia brasileira, as cifras são assustadoras.  A perspectiva, antes da pandemia, era que o Brasil fechasse 2020 com um déficit primário na casa de R$ 115 bilhões. Com a chegada da crise sanitária o número alcançou a casa de R$ 720 bi e uma prorrogação e um novo plano se salvação da economia pode levar o Brasil a enfrentar uma cifra monstruosa de R$ 1.3 trilhão, até dezembro.

“Tudo precisa ser pago. Nada é grátis. E as formas de quitação podem ser a adoção de juros mais altos e aumento de tributação [já altíssima]. A consequência disso é a demora da geração de emprego e renda, e que acabam por contribuir ainda mais para a depressão econômica”, disse Aod.

Economia pós-coronavírus:

No caso do Brasil, Aod Cunha defendeu a agenda de reformas e de alternativas que façam o País ser atrativo economicamente. Segundo ele a retomada está diretamente ligada a uma profunda revisão do regramento tributário, por meio de simplificação, abertura comercial, ampliação dos programas de concessões e privatizações, modernização de regras comerciais e aumento da eficiência do Setor Público. “É necessário que reformemos nossa legislação que abarca a situação do servidor público. Quem trabalha no setor privado está recebendo -50% de salário. Eles já possuem a estabilidade”, disse.

Simone Leite cobrou e apoiou uma ampla reforma administrativa, “que vise a redução de benefícios para o setor público e que promovem, ainda mais, a desigualdade social”, disse.

No âmbito global, ele acredita numa modificação profunda da geopolítica, com impactos duros contra a China, aumento do protecionismo econômico, revisão das cadeias globais, ente outras coisas.

O retorno à normalidade, na visão de Aod, só acontecerá quando a segurança for coletiva. E afirmou que essa crise vai passar e, ao final, um ciclo como esse vai acabar por proporcionar uma economia mais forte.

CLUBE DE CRIAÇÃO

O Clube de Criação RS é parceiro do projeto 40tena Review:

A pauta de trabalho dos criativos do Brasil inteiro está mais inconstante do que nunca. Nesta quarentena, durante a fase de home office, entre um job e outro, é importantíssimo reservar um tempo para atualizar o portfólio. Foi com esse pensamento que um quarteto de publicitários carioca criou o 40tena Review, que é uma planilha colaborativa onde criativos podem cadastrar os links de suas pastas e submeter seus trabalhos para que grandes nomes do mercado avaliem e mandem feedbacks positivos.

O mercado criativo gaúcho, visto como um dos principais exportadores de talentos, também faz parte do projeto. O Clube de Criação RS foi convidado e está no 40tena Review, indicando nomes de relevância criativa para avaliar trabalhos e também na divulgação para o público que quer receber dicas de como melhorar suas ideias.

O link da planilha, você pode acessar aqui: lnkd.in/dqumsRK

Para saber mais sobre o projeto, tem todas as explicações aqui: https://www.instagram.com/40tena_review/

E para saber mais sobre como você pode participar das ações junto com o Clube de Criação RS, basta seguir eles aqui: https://www.instagram.com/clubedecriacao.rs/

MARCAS MAIS LEMBRADAS POR AÇÕES NA COVID-19

1 – Itaú

2 – Ambev

3- Magazine Luiza

4- Santander

5 – Natura

6 – O Boticário

7 – Bradesco

8 – Nestlé

9 – Americanas

10 – Casas Bahia

Ranking da Consultoria Croma realizado a partir de 9.080 entrevistas online destacou marcas mais lembradas por ações que minimizam a crise do Coronavirus.

DIA DAS MÃES

A principal data comemorativa do primeiro semestre amargou pelo segundo ano consecutivo resultados no vermelho. Dados do “Indicador de Atividade do Comércio” da Serasa Experian mostram que as vendas no varejo na semana do Dia das Mães (4 a 10 de maio) registraram queda de -30,7% com relação ao mesmo período do ano passado. A retração deste ano se soma a queda de -1,4% que fora observada no Dia das Mães de 2019 e representa o pior resultado desde 2003, início da série histórica. Levando em conta apenas o fim de semana do Dia das Mães (8 a 10 de maio) houve queda de -30,1%, quando comparado com os dias equivalentes de 2019.

Na cidade de São Paulo, as vendas também tiveram um desempenho negativo recorde, com queda de -26,6% levando em conta toda a semana que antecedeu o Dia das Mães. Ainda na capital paulista, o movimento no fim de semana seguiu o registrado em todo o país e teve recuo expressivo de -29,1% com relação ao ano passado.

Na avaliação do economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, o resultado negativo é reflexo das medidas de isolamento social, que tem restringido a circulação de pessoas e mantido estabelecimentos comerciais de portas fechadas para visitação. “Mesmo com empresários se reinventando para vender com auxílio da internet e por meio de entregas, o resultado negativo no Dia das Mães já era esperado. Em um momento em que as pessoas estão mais inseguras nos empregos e, muitas dela já se encontram com renda menor, a diminuição do consumo é consequência da falta de confiança dos brasileiros, que acabam focados na aquisição de itens mais essenciais”, analisa Rabi.

GLOBO

A coisa já não andava nada bem para a Globo em São Paulo quando se fala em rádio.

A Rádio Globo já havia demitido no ano passado grandes nomes como Maju Coutinho e Fernanda Gentil. No ranking das emissoras de rádio mais ouvidas de São Paulo, a emissora não chegava a ocupar nem o top 10. Para se dedicar ao mercado carioca, agora a Rádio Globo passa a existir somente no Rio de Janeiro. A mudança acontece já no próximo dia 31. Em nota, a Globo explicou:

No próximo dia 31 de maio, a Rádio Globo encerra a sua operação em São Paulo no FM 94.1 e fecha o ciclo de desmobilização da rede de transmissão para todo o Brasil.

Com foco no Rio de Janeiro desde julho do ano passado, com a programação voltada ao público jovem popular, a Rádio Globo teve um crescimento expressivo de audiência não só na capital, como na Baixada Fluminense e Região Metropolitana. Para seguir avançando, a Rádio Globo entende que é fundamental fortalecer a sua grade local e apoiar a vibração da cultura carioca para a evolução do atual modelo de negócios.

A partir de 1° de junho, a Rádio Globo passa a reproduzir totalmente o compartilhamento dos jovens do Rio na frequência 98.1 FM, e fortalece a identificação já criada com o público carioca. Entre uma música e outra, o jornalismo cumpre a missão de apresentar informações relevantes ao vivo diariamente, e o esporte continua levando emoção aos apaixonados com a equipe do Futebol Globo CBN, mesmo com todas as competições adiadas.

CONSUMIDOR

Segundo dados do estudo “Dimension 2020 – A Mídia & Eu”, da Kantar, 54% dos consumidores brasileiros aprovam a veiculação de anúncios na internet que se baseiam nas atividades anteriores de navegação na web. A média global é 34%. Entretanto, mais da metade dos consumidores globais (54%) concordam que é invasivo receber publicidade de acordo com suas atividades online anteriores. A pesquisa, realizada com mais de 8 mil consumidores de 8 mercados, aponta que há uma linha tênue na veiculação da “publicidade segmentada”, que utiliza os dados de navegação das pessoas na internet para oferecer anúncios mais inteligentes.

Outro resultado do estudo aponta que os consumidores preferem informações de amigos e familiares ao escolher um produto. Para chegar à esta conclusão, a consultoria criou o “Trust Index”, um índice de confiança para interpretar as respostas dos nossos consumidores. O índice, que varia entre 0 e 100, considera a proporção de consumidores que afirmam acessar certas formas de mídia para obter informações de uma marca e a relaciona com a proporção que afirma confiar nessa fonte de mídia para esse fim.

No ranking global, “amigos e familiares” estão em primeiro lugar, com 93 pontos. “Sites de avaliação” ficam logo atrás, com 91 pontos. Os “sites de notícias” estão na terceira posição, 76 pontos. “Redes sociais”, com 51 pontos, e “publicidade”, com 38, estão nas últimas posições. No Brasil, os “sites de avaliação” (95 pontos) ficam à frente, com “jornais e revistas impressas” em segundo lugar (90 pontos). “Redes sociais” (55 pontos) e “publicidade” (51) também ficam nas últimas colocações no mercado nacional.

O estudo é uma análise feita anualmente pela Kantar e aborda problemas de planejamento, compra e mensuração de comunicação enfrentados pelo setor de mídia. Entre novembro e dezembro do ano passado, a consultoria ouviu mais de 8 mil consumidores de 8 mercados (Argentina, Brasil, China, França, Alemanha, Espanha, Reino Unido e EUA). Segundo a empresa, estes mercados, juntos, cobrem mais de dois terços dos investimentos publicitários no mundo.

O estudo ainda entrevistou 37 profissionais do setor, entre anunciantes, agências, plataformas de mídia e consultorias, sobre o tema.

REABERTURA

Os shoppings das 20 regiões gaúchas identificadas com as bandeiras amarela e laranja podem reabrir conforme portaria publicada pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). Os estabelecimentos deverão cumprir os protocolos de segurança e requisitos do Plano de Distanciamento Controlado.

A flexibilização restringe, no entanto, a abertura de áreas de recreação, cinemas, teatros, bares e pubs, assim como a utilização de provadores de roupa em lojas, serviços de buffet de restaurantes e lancherias e lounges. A região de Lajeado, identificada com a bandeira vermelha, é a única a não ser beneficiada pela flexibilização nesta semana. A releitura das bandeiras ocorre sempre aos sábados, passando a valer nas segundas-feiras.

A portaria prevê que o teto de operação nos estabelecimentos dos shoppings deve ser no máximo com 50% de trabalhadores e 50% de consumidores. Nas regiões com bandeira vermelha, as vendas serão só por tele-entrega ou drive-thru. Na bandeira preta, estabelecimentos comerciais que não sejam essenciais estarão proibidos de funcionar.

Proprietários e administradores deverão observar semanalmente a bandeira estabelecida para sua região. A divulgação das bandeiras ocorre aos sábados, com validade a partir da segunda-feira seguinte. Os protocolos obrigatórios devem ser respeitados em todas as bandeiras.

Para o reinício das atividades, será exigido que os estabelecimentos tenham seus próprios protocolos de contingência, com medidas de prevenção e fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) adequados para os trabalhadores.

Além da proibição da prova de vestimentas, de acessórios, bijuterias e calçados, a portaria prevê, uma série de normas, como a desativação de todos os bebedouros, a delimitação do espaço de distanciamento entre mesas e bancos e do número de pessoas nos elevadores e nas escadas rolantes.

Também estará proibida a realização de eventos, exposições, atividades promocionais, ofertas de produtos para degustação dentro dos shoppings. Os estabelecimentos deverão afixar, em local visível ao público e aos colaboradores, cartazes com orientações sobre higienização das mãos, uso de máscara, distanciamento entre as pessoas, limpeza de superfícies, ventilação e limpeza de ambientes.

Conforme a portaria, o não cumprimento do regramento disposto na portaria pelos shopping centers, centros comerciais e estabelecimentos implicará na abertura de processo administrativo sanitário, nos termos da Lei nº 6.437/77.

CARTA ABERTA

Da Associação Brasileira de Shopping Centers para o Prefeito Nelson Marchezan Junior,

Há quase dois meses, o setor de shopping centers passa por um dos momentos mais delicados e impactantes de sua história. Devido à crise da COVID-19, todos os empreendimentos do País foram obrigados a fechar suas portas, em um movimento inédito e sem precedentes, impactando um negócio que hoje representa quase 3% do PIB nacional e gera mais de 3 milhões de empregos, diretos e indiretos, no Brasil. Desde então, a Abrasce tem atuado de forma incansável para propor melhorias que possam não apenas conter a propagação da doença, salvando milhares de vidas, nossa principal preocupação, mas também sugerir medidas de natureza econômica, a fim de evitar um colapso no setor produtivo, em prol da manutenção da renda da população e, consequentemente, o emprego de milhares de brasileiros. Por isso, desenvolvemos uma pesquisa ampla e completa com mais de 540 lojistas de 16 shopping centers estabelecidos no município de Porto Alegre, seguindo critérios técnicos e confiáveis, a fim de compreender a realidade e a opinião dos lojistas em relação à possibilidade de operarem enquanto os empreendimentos ainda não estão oficialmente abertos. De forma geral, podemos afirmar que 60% das lojas do segmento de alimentação e mais da metade do segmento de lojas e serviços (73%) se mostram favoráveis à reabertura das lojas em shoppings para operarem na modalidade de delivery, take away ou drive thru. No segmento de alimentação, 72% desejam operar por meio de delivery e 50% consideram operar por drive-thru. Já no que diz respeito às lojas e serviços, 51% acreditam que as vendas possam ser feitas por delivery e 50% por drivethru, sendo que esta operação deverá ser centralizada pelo shopping, e não desenvolvida individualmente pelos lojistas. Neste momento, que ainda exige muita cautela e seriedade, entendemos que esta pode ser a melhor opção para as operações de shopping centers, enquanto os shopping centers estiverem fechados por decreto. Diante dos resultados expressivos e significativos da pesquisa, colocamo-nos à disposição para uma nova reunião com Vossa Excelência, no início da próxima semana, para apresentação dos dados e aprofundamento das questões, que, reforçamos, representam a realidade atual e fidedigna dos empreendimentos no município.

OLYMPIKUS

Após um mês de férias coletivas dos 14 mil funcionários, a Vulcabras Azaleia iniciou o plano de retomada da empresa com o lançamento, na segunda-feira, 11, do projeto “Corre Junto Brasil”.

A iniciativa convida o público a vender produtos da Olympikus como forma de ajudar na renda doméstica. Quem comprar pela plataforma terá 20% desconto na primeira operação, e quem vender receberá 10% em cada peça comercializada.

Para participar, é preciso se cadastrar com o CPF ou CNPJ, gratuitamente, no site. “A iniciativa nasce da ideia de uma marca brasileira feita por brasileiros se conectar com a comunidade a fim de gerar um projeto ganha-ganha. De um lado criamos uma oportunidade de geração de renda extra para todos os brasileiros que quiserem vender os produtos por meio do site da Olympikus ganhando comissão por venda. A outra ponta do projeto é dar respaldo a essas pessoas, com uma iniciativa de capacitação digital para transformá-las em empreendedores digitais”, explica Márcio Callage, CMO da Vulcabras Azaleia.

Com a Academia Digital Olympikus, os inscritos poderão aprender estratégias de venda, como divulgar seu trabalho e dicas para conseguir engajar seus clientes. O plano de retomada elaborado pela diretoria da empresa inclui um novo planejamento do ano. O objetivo é entender os cronogramas de lançamento dos produtos e a estratégia de marketing e vendas diante da pandemia. Além de Olympikus, o portfólio da Vulcabras Azaleia inclui Azaleia, Djean, Opanka, Under Armour (licenciada) e Botas Vulcabras.

“A marca foi duramente impactada por um conjunto de elementos. O primeiro deles foi o fechamento das lojas e shoppings. Depois, o cancelamento de todos os eventos esportivos — tínhamos Maratona de São Paulo, em abril, e Maratona do Rio, em junho —, além do fato de os interesses de compra terem se concentrado em itens de necessidade urgentes nesse momento”, ressalta.

INBEV

A Anheuser-Busch InBev, afirmou que reduzirá os investimentos em mídia nos EUA, enquanto continua tentando combater a baixa nas vendas causadas ​​pelo fechamento de bares e restaurantes durante a pandemia.

Segundo relatório da cervejaria, em abril o volume global despencou 32%, principalmente devido ao fechamento de bares e restaurantes, e restrições governamentais que afetaram suas operações em alguns mercados. Em 2019, as vendas de bares e restaurantes representaram um terço do volume global da cervejaria. No trimestre encerrado em março, a receita global caiu 5,8% e o volume caiu 9,3%, mas a empresa alertou que os resultados do segundo trimestre “serão substancialmente piores”.

A empresa também tentará renegociar alguns contratos comerciais, incluindo patrocínios, afirmou. Nos EUA, a cervejaria patrocina as quatro principais ligas profissionais de esportes. A Liga Nacional de Hóquei, a Associação Nacional de Basquete e a Liga Principal de Baseball interromperam indefinidamente suas temporadas e a incerteza permanece em torno da Liga Nacional de Futebol, que é responsável por grande parte dos investimentos da Bud Light no outono e inverno.

A AB InBev enfrenta o mesmo dilema encontrado por outros profissionais de marketing de bebidas alcoólicas: embora as vendas tenham desaparecido, houve um aumento nas compras de supermercado, mas é difícil prever quanto tempo isso vai durar.

E TEM MUITO MAIS

Em DESTAQUE: Consumidor: Compras online em meio à crise

Em ESPECIAL: “Publicidade não é despesa, é receita” com o VP Comercial da Record – Walter Zagari

Tem OPINIÃO, a CHARGE do talentoso Cado Bottega e ARTIGOS: do brilhante Dado Schneider – Professor, Pesquisador, Palestrante, Escritor e Doutor em Comunicação; de Silvio Sibemberg – Empresário especialista em varejo; de Orestes de Andrade Jr. – Jornalista; de Zeca Honorato – Consultor e palestrante nas áreas de publicidade, marketing político e comportamento e do nosso articulista José Maurício Pires Alves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *