“PUBLICIDADE NÃO É DESPESA, É RECEITA” – 15.05.2020

Assim como todos os veículos de comunicação do mundo, a Record TV teve sua estratégia de 2020 atravessada pela pandemia. Depois de reajustar a grade com a ampliação do conteúdo jornalístico, exibição de lives e resgate de atrações do acervo, a emissora volta sua energia para estimular o mercado publicitário a agir em conjunto contra a crise trazida junto com a emergência de saúde.

Desde a semana passada, a emissora abriu espaço no mais importante programa de sua grade, o Jornal da Record, para executivos de agências, anunciantes e de entidades do mercado publicitário mostraram a importância de as empresas estreitarem sua relação com os consumidores em um período cercado de incertezas.

Nessa segunda-feira, 11, a RecordTV anunciou uma importante renovação comercial. O Bradesco, que no ano passado tornou-se patrocinador do Jornal da Record (que, além da versão exibida diariamente, no horário nobre, também conta com quatro edições curtas, distribuídas ao longo da programação). O banco renovou o acordo para continuar patrocinando o telejornal por mais dois anos. Além das exibições na TV, as edições curtas do Jornal da Record também ficam disponíveis no R7, PlayPlus, YouTube, Instagram, Facebook e Twitter.

Por trás dessas ideias e negociações está Walter Zagari, executivo que, há anos, comanda a área comercial de todas as plataformas que compõem o grupo de mídia. Ciente dos efeitos que a pandemia já traz para a realidade econômica do País, sendo o principal, para o meio, um recuo dos investimentos dos anunciantes, Zagari fala sobre a importância de manter a proximidade com agências e anunciantes e fazer o mercado compreender os efeitos de manter os investimentos em publicidade ativos.

Quais são os maiores desafios da emissora em relação ao faturamento comercial?

Nossa abordagem da equipe de vendas junto às agências e aos anunciantes, que já era muito constante, passou a ser muito mais intensa e presente. O momento atual demanda uma dedicação muito além do que estávamos acostumados. Não podemos deixar a peteca cair! Temos que estar sempre presentes no dia a dia das agências e dos clientes, ser atuantes, parceiros e pró-ativos. A situação está difícil e o dinheiro escasso. Neste cenário, a criatividade e a competência técnica fazem total diferença. Minha equipe comercial está preparada para esse desafio e tenho certeza que superaremos esse momento. Já passamos por outras crises e sobrevivemos. E nessa, também, seremos vencedores.

De que forma a emissora vem dialogando e mantendo a proximidade com agências e anunciantes nesse período?

 Estamos muito mais atuantes junto ao mercado nestes últimos meses. Nossa “escala” de trabalho à disposição dos clientes é de 24 x 7. De fato, as coisas estão difíceis. Mas sem a nossa pró-atividade, com certeza, ficarão muito piores. Mais do que nunca, temos que fazer parte do dia a dia dos nossos clientes, sermos parceiros e consultores de negócios e traçarmos estratégias de comunicação em conjunto com o melhor custo-benefício. Nesse contexto, todos teremos a ganhar e seremos mutuamente ajudados. Como exemplo de ações da área comercial, na semana passada realizamos a primeira convenção online. Reunimos todas as emissoras da rede para traçarmos estratégias que minimizem os efeitos dessa crise. O resultado foi extremamente satisfatório, tendo a troca de informações como uma das ferramentas mais eficazes no combate à crise.

Qual a importância da renovação do patrocínio com o Bradesco para o Jornal da Record?

A renovação da nossa parceria comercial com o Bradesco é uma prova de que, mesmo em tempos desafiadores, como o atual, a comunicação é a melhor vacina contra a crise. Em um momento em que a TV é considerada o principal meio de informação, como nos dias de hoje, termos o Bradesco como patrocinador do Jornal da Record, que na minha opinião é o principal telejornal da televisão brasileira, é a prova do total reconhecimento da credibilidade, transparência e seriedade do jornalismo da Record TV. Em outras palavras, recebemos um “atestado” de confiança.

Desde o início da pandeia a maior parte das marcas retraiu seus investimentos em publicidade por conta das incertezas do período. Como essa atitude atingiu a Record?

A intenção das marcas em investir existe, porém a verba de publicidade está recessiva. Temos que nos adequar a essa situação e, mais do que nunca, sermos técnicos e utilizar argumentos de defesa de vendas que mostrem que a TV está sendo o meio de maior penetração neste período e que é o meio de maior influência na vida das pessoas. Nesse contexto não há razão para que as mídias sejam canceladas. Investir em comunicação não é despesa. É receita.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *