NOTAS DA SEMANA-20-11-2020

PODCAST DA COLUNA DO NENÊ

A décima quinta edição já foi ao ar nessa quarta-feira (18) com entrevista exclusiva de João Satt, CEO do G5.

A próxima edição conta com a participação de Marcelo Pacheco, Vice-Presidente do Grupo RBS.

PODCAST DA COLUNA DO NENÊ JR

Ouça agora a terceira edição do Podcast da Coluna do Nenê Junior dirigida por Guilherme Novello e apresentada por Gabriel Azambuja com o convidado especial Henrique Bandeira.

FEEVALE

A Universidade Feevale agora tem uma nova modalidade na graduação. Trata-se da Feevale Way Flex, que possui formato híbrido e está atrelada à Feevale Way, proposta que utiliza metodologias ativas e disciplinas com currículos atualizados e alinhados a modelos da Finlândia, referência mundial em educação.  
Inicialmente, a Feevale Way Flex conta com oito cursos, que antes eram ofertados no formato presencial, com 20% a distância: Administração, Gestão Financeira, Comércio Exterior, Processos Gerenciais, Gestão da Produção, Sistemas de Informação, Ciência da Computação e Ciências Contábeis. Esses cursos, que passam a ser 60% presenciais e 40% digitais, agora são em módulos e não mais em créditos ou disciplinas.
Se antes o aluno contratava de oito a 30 créditos desses cursos, agora pode escolher entre um, dois ou três módulos. Todo o conteúdo do semestre estará disponível de forma virtual, mas ainda haverá aulas presenciais semanalmente, sendo que cada módulo terá cerca de três componentes curriculares. Isso proporciona muitas vantagens aos estudantes, principalmente em relação ao preço diferenciado e a uma maior flexibilidade, pois poderão organizar seus períodos de estudos on-line de acordo com a disponibilidade de horários.  
O reitor Cleber Prodanov lembra que a Feevale Way oferece um currículo objetivo, articulado com várias áreas do conhecimento, com o mercado de trabalho e com ambientes de inovação. “Buscamos o desenvolvimento profissional do aluno, de uma forma integrada e conectada. É um novo caminho que a Feevale proporciona na formação de seus estudantes. Um caminho mais objetivo, seguro e conectado com o século XXI”, afirma.    
Para a pró-reitora de Ensino, Angelita Renck Gerhardt, esse modelo privilegia as práticas presenciais, pois otimiza o tempo em que o estudante vai ao câmpus para, em cooperação com os colegas e sob a mentoria dos professores, aplicar na prática o que está aprendendo e desfrutar de todos os ambientes de convivência que a Instituição disponibiliza. “Na Feevale Way Flex, os estudantes podem organizar o seu tempo, aproveitar de forma intensa as atividades no câmpus e alinhar suas experiências práticas ao seu propósito de vida”, destaca.
Inscrições para o vestibular 

As inscrições para o vestibular de verão, que inclui os cursos da Feevale Way Flex, estão abertas. Os candidatos estão isentos do pagamento da taxa de inscrição. Quem optar por ingressar com aproveitamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deve ter realizado prova no período compreendido entre 2017 e 2019. 

O candidato pode optar por uma das seguintes formas de seleção: prova de redação Feevale on-line, redação Enem, redação Enem + objetiva Enem ou aproveitamento de vestibular realizado em outro período. As inscrições devem ser realizadas pelo site way.feevale.br

BRINCADEIRA?

“Necessito de uma ajuda dos amigos. Tenho que contratar uma mídia pode ser meia boca, assistente mesmo, só para mandar PI para vocês. Urgente. Obrigado”

Esse watts recebido só pode ser uma brincadeira de muito mau gosto.

O autor do mesmo, um empresário bem sucedido, deveria estar no momento preenchendo milhares de PIs e ficou transtornado com tanto trabalho.

ARP

Mudando e acrescentando nomes de profissionais absolutamente comprometidos com o coletivo e com as atitudes de mercado simples de objetivos, a ARP montou um super time para o comando do marketing da Associação.

VALORIZAÇÃO

Tem agência que está supervalorizando conquistas mínimas ou ações sem comunicação que dá a entender que estão virando o jogo e conquistando o topo.

GZH

Desde que as restrições por conta da pandemia atingiram a sociedade, transformação é palavra-chave. Foi preciso se reinventar em diversos setores e, no jornalismo, não foi diferente – as redações em teletrabalho e os programas de rádio transmitidos direto da casa dos comunicadores são exemplos disso. As mudanças na rotina de trabalho e as oportunidades de crescimento que esse cenário oferece foram tema do painel “Mudança cultural, a chave para a transformação da mídia”, na primeira edição online do Digital Media LATAM, promovido pela Associação Mundial de Jornais e Editores de Notícias (WAN-Ifra).

A RBS foi representada no evento pela vice-presidente de Produto e Operações da empresa, Andiara Petterle, que conduziu o bate-papo ao lado de Emily Ramshaw, co-fundadora e CEO do The 19th, uma redação sem fins lucrativos que cobre gênero, política e políticas públicas. Durante o encontro, Andiara abordou três pontos fundamentais de transformação: a evolução da cultura nas redações, a cultura de dados e as alterações relacionadas à integração de negócios e produtos. A moderação ficou por conta da presidente da Frame ONE Strategies, Selymar Colón.

– É preciso encarar os desafios da indústria e usar esses aprendizados para realmente entender e aprender a lidar com esse novo cenário. Quando fazemos isso, incentivamos as nossas redações a seguirem o mesmo caminho, e nos aliamos às novidades tecnológicas, é que realmente colocamos todos a bordo para as grandes transformações – afirma Andiara.

Sobre o evento – Principal encontro sobre transformação digital da indústria jornalística latino-americana, o Digital Media LATAM busca o compartilhamento de experiências e conhecimentos, além de proporcionar novas conexões entre líderes e executivos do setor de todo o mundo. Neste ano, o evento ocorre entre os dias 17 e 19 de novembro, pela primeira vez em formato online.

SBT

O SBT divulga os filmes finalistas para a 5ª edição do prêmio O Melhor Comercial Regional do Brasil. Os quatro comerciais – que representam as regiões norte, sul, centro oeste e sudeste – foram selecionados pela comissão interna composta por: jornalistas, executivos da área de Marketing e Comercial do SBT e pela votação dos jurados locais, selecionados dentre os mais importantes profissionais do mercado publicitário das regiões.

Todos os filmes que estão concorrendo ao prêmio foram veiculados nos intervalos das emissoras regionais participantes, do SBT, ao longo do ano de 2019. A votação final será realizada em um almoço previsto para o dia 15 de dezembro, em São Paulo, que reunirá os publicitários que compõem o júri, executivos da emissora e jornalistas. Cabe ressaltar que para este evento presencial, todos os protocolos de segurança indicados pelos órgãos de saúde serão seguidos com rigidez.

Na ocasião, também será revelado o vencedor da versão nacional do prêmio. Como o Cannes Lions deste ano foi cancelado, a dupla de vencedores (agência e anunciante) das duas categorias (nacional e regional) serão premiados com uma viagem em grande estilo para o Festival de Criatividade de Cannes, na França, em 2021. Ou seja, será uma viagem conjunta para os vencedores da edição de 2019 e 2020. 

A última edição do O Melhor Comercial Regional do Brasil reconheceu o filme “Maio Amarelo” para a CET Rio de Janeiro, como vencedora da edição 2018. A criação foi da Propeg. 

Confira a lista dos quatro comerciais finalistas:

Sons

Agência: Hoc

Cliente: Unimed Porto Alegre

Disponível em: https://youtu.be/xAiQlqC87Hc  

Álcool e celular02

Agência: AV Comunicação

Cliente: Detran

Disponível em: https://youtu.be/wEGP16GdLwE

Essa energia envolve a gente
Agência: Phocus Propaganda
Cliente: Equatorial Pará
Disponível em: https://youtu.be/viob1nlswZ0

Árvore do Rio Light

Agência: NBS

Cliente: Light

Disponível em: https://youtu.be/OsVyFB8H62M

Saiba mais em:

https:// sbt.com.br/omcdb

LEBES

O maior movimento de Black Friday já realizado na história da Lebes começou dia 1º de novembro com muitas novidades. Além de durar o mês todo, para evitar aglomerações, um projeto multimídia especial está sendo preparado, em parceria com o Grupo RBS, para a divulgação da campanha e suas ofertas.

O destaque é a transmissão simultânea para todo o Rio Grande do Sul de uma entrada ao vivo da Cris Silva, comunicadora da RBS, de dentro de uma filial Lebes no dia 26, à noite, para mostrar as novidades desta grande campanha. A veiculação, em formato inédito no Estado, ocorrerá ao mesmo tempo em chamada na RBS TV e na programação das rádios do Grupo, com blindagem instantânea em GZH e no clicRBS – desta forma, garantindo alto impacto e alcance, além de impulsionar a conexão da marca e a apresentação de ofertas para o público em uma campanha 360º. Para convidar os gaúchos a acompanharem o projeto, na própria quinta-feira, a Lebes amanhecerá com aproveitamentos nas capas dos jornais Zero Hora, Diário Gaúcho e Pioneiro.

E para finalizar esse dia de ações, depois da entrada ao vivo da Cris Silva, a audiência será direcionada para as redes sociais da Lebes, onde acontecerá uma live especial com um time de embaixadores formado por influenciadores, para mostrar detalhes da preparação da marca para os dias mais intensos de Black Friday.

Fazem parte deste time de embaixadores: Bárbara Pustai, Cris Azambuja, Cris Silva, Julia Thetinski, Mari Wofchuk, Miltinho Talaveira, Pam Machado, Pâmela Ghilardi, Pedro de Oliveira e Rodrigo Adams.

Além dessas ações, a empresa também apostou em diversos canais para atender a todos os clientes: lojas físicas, e-commerce, aplicativo e WhatsApp. Inclusive, durante o período, os clientes podem solicitar o serviço da Lebes Bag, uma sacola com peças de roupas e calçados, montada de forma personalizada pelo núcleo de moda, entregue diretamente na casa do cliente para que ele possa escolher o que quiser e pagar como preferir.

E para a Missão Black Lebes bombar ainda mais, a empresa empoderou sua equipe de vendas com a tecnologia Pmweb 360º. Esta nova ferramenta de inteligência artificial coloca na mão do consultor as informações certas e relevantes sobre cada cliente, deixando o atendimento ainda mais personalizado e o consumidor mais satisfeito.

“Em um ano atípico e difícil como esse, precisamos nos esforçar ainda mais para entregar nosso propósito que é facilitar o acesso das pessoas aos seus sonhos. Para isso, unimos a garra e o comprometimento de todo o time Lebes, com a tecnologia e a parceria com a RBS para oferecer a melhor experiência de compra possível aos nossos clientes”, comenta Otelmo Drebes, presidente da Lebes.

CHARRUA

É da TWF/Competence o projeto de comunicação do Guaraná CHARRUA, fabricado pela Coca-Cola FEMSA Brasil, para divulgação da chegada da lata 350ml. O storytelling associa o produto aos costumes locais e à principal situação de consumo de refrigerantes que são as refeições, sendo que o novo conceito desenvolvido para a marca é “Charrua. O Sabor da Tradição”. A partir disso, a campanha se desdobra em peças de mídia externa e digital divertidas que associam comidas tipicamente gaúchas (como o churrasco de costela, o xis coração, o galeto) ao guaraná Charrua. Considerando que os índios Charruas foram uma das tribos que primeiro habitaram o Rio Grande do Sul, no rádio é o “chefe” dessa tribo que diz, em diferentes vinhetas, quais comidas locais combinam perfeitamente com seu guaraná Charrua gelado. Produzida e distribuída pela Coca-Cola FEMSA Brasil na unidade de Porto Alegre – a maior engarrafadora de produtos Coca-Cola no mundo em volume de vendas -, a novidade está em sintonia com a constante atualização do portfólio da empresa para melhor atender os cerca de 11 milhões de consumidores gaúchos. Além da lata 350ml, a Charrua pode ser encontrada na versão mini lata 220ml e Pet 2L.

CHACOALHA

O “Chacoalha”, programa de debate ao vivo promovido pela FENAPRO (Federação Nacional das Agências de Propaganda), com o apoio dos SINAPROS (Sindicatos das Agências de Propaganda), recebeu nesta quarta-feira (23/09), o presidente da ABAP, Mário D’Andrea, para um debate com Daniel Queiroz e Dudu Godoy, respectivamente presidente e vice-presidente da Fenapro, um dos temas mais polêmicos hoje da publicidade: a responsabilidade legal e a maior transparência que devem ser exigidas das plataformas de redes sociais no Brasil, especificamente em ações de veiculação de publicidade pagas em suas redes.

Os três debatedores foram unânimes em concordar que, ao contrário da forma como as plataformas se definem, alegando serem meras plataformas tecnológicas, elas reúnem todas as características de um veículo de comunicação, que, por determinado preço, veicula propagandas pagas em espaços monetizados no ambiente digital, onde as pessoas podem exercer sua livre expressão. E, por isso, essas plataformas deveriam se enquadrar às leis brasileiras que regem a publicidade e os veículos de comunicação, reconhecendo e praticando a corresponsabilidade que todo veículo de comunicação no Brasil, – seja TV, Rádio, Jornal, Revista ou OOH – é obrigado a assumir por lei.

Há anos, D’Andrea vem escrevendo e alertando sobre o assunto, e recentemente, publicou na Folha de S.Paulo o artigo “Neocolonialismo Digital – É preciso impor responsabilidades às empresas e exigir regras de transparência no ambiente digital “. O artigo aponta a liberdade sem regras na venda de espaço publicitário pelas plataformas que se utilizam dos dados das pessoas (a commodity mais preciosa atualmente) da forma que mais lhes garanta lucro, sem o devido retorno e transparência para a sociedade.

“Não só no Brasil, mas em todo o mundo, o digital mudou nossas vidas para melhor. Contudo, apesar de todo o lado positivo dessa mudança, isso não quer dizer que o digital possa ser um universo à parte, sem regras, com as plataformas tendo todo o bônus sem ônus algum, sem responsabilidade. Liberdade de expressão é uma coisa, liberdade total de comercialização é outra. É clara a falta da regulamentação em boa parte das atividades de comunicação e publicidade no ambiente digital”, afirma D’Andrea.

Ele citou o exemplo da Alemanha, que criou leis; do Reino Unido, que está discutindo o assunto, e da Espanha está tentando regulamentar o tema. O Brasil já tem leis, mas precisa enquadrar as redes sociais de acordo com sua real atuação, ou seja, como veículos de comunicação de massa, e dos mais assertivos em todos os tempos.

Dudu Godoy – um dos executivos à frente da coalizão de 41 entidades de publicidade e comunicação, entre elas ABAP e Fenapro, a maior e mais unida coalizão deste setor jamais formada no Brasil, que está auxiliando o governo brasileiro para que as redes sejam formalmente reconhecidas como veículos – corrobora com o argumento de D’Andrea. Segundo Godoy, o ponto central do debate sobre as plataformas é que elas iriam ferir a liberdade de expressão de seus usuários caso se assumissem como veículos. Godoy deixa claro que a coalizão das entidades não tem interesse em censurar a livre expressão dos usuários em qualquer tipo de plataforma.

“O que é necessário é que as plataformas assumam, assim como os veículos, a corresponsabilidade das veiculações de anúncios pagos e distribuídos por elas em suas redes e, principalmente, que identifiquem quem está pagando pelos anúncios, bem como deixem claro para seus usuários que aquele conteúdo consumido por eles é uma publicidade paga por alguém, seguindo o procedimento que todos os demais veículos do Brasil são obrigados por lei a seguir”, salienta Godoy, que também é presidente do SINAPRO-SP.

Em sua avaliação, essa responsabilidade tem que ser assumida pelas plataformas. “Uma coisa é a liberdade de expressão, e outra é a liberdade comercial. A concorrência livre é salutar. Por isso a liberdade precisa ter responsabilidade. A regra existe não para inibir, mas para estabelecer a relação clara entre as partes, seja pessoal, entre empresas e produtos. E nesse momento o digital das plataformas não está seguindo essas regras”, completa.

Este episódio do Chacoalha pode ser assistido no Youtube da Fenapro .

GRUPO DE MARKETING

O Grupo de Marketing está com nova gestão. Graciele Grando, executiva com mais de 15 anos de experiência em comunicação e marketing, assumiu o lugar de Juan Pablo Boeira na presidência da entidade. Criado em 2018, o grupo conecta pessoas e fomenta a troca entre profissionais de marketing com todo ecossistema criativo, e faz parte dos grupos de mercado da Associação Riograndense de Propaganda (ARP).

Além da mudança na presidência, a nova diretoria traz para a gestão do grupo outros nomes de destaque do marketing. Compondo o quadro estão Fabiana Londero, Head de Marketing da Lebes, Ivan Novello, do Marketing do Banrisul, Fabiane Bottezini, Supervisora de Marketing da Italinea, Genaro Galli, Diretor de Pós-Graduação e Educação Continuada da ESPM e Anna Quadros, Coordenadora de Marketing do SESC/RS.

A iniciativa visa desenvolver métodos, proporcionar estudos e premiar as melhores práticas dentro do setor. “Criamos o Grupo de Marketing com o objetivo de trazer o mercado mais para dentro da ARP, uma vez que a instituição tem forte atuação na indústria criativa”, declara o agora ex-presidente Juan Pablo Boeira, que esteve à frente da entidade desde 2018. Em sua gestão, o grupo conquistou mais de 100 sócios.

Dentre as realizações da entidade, Boeira cita o Innovation Weekend, que neste ano teve sua segunda edição, destacando-se como um dos principais festivais de inovação e negócios do Rio Grande do Sul. Outra ação de relevância foi a pesquisa com mais de 400 gestores de marketing de grandes empresas gaúchas, que possibilitou um diagnóstico do marketing de diversos setores em nível estratégico, tático e operacional.

Conforme a nova presidente, sua gestão será colaborativa e participativa. “O objetivo é poder reunir os grandes players do marketing para trocarmos experiências, entendermos o momento de cada empresa, as boas práticas”, declara Graciele Grando. Para isso, ela considera um dos seus primeiros passos o entendimento do novo modelo de profissional de marketing, que surgiu nesse momento de pandemia, bem como das empresas que precisaram se reinventar, acelerando sua transformação digital.

Graciele é formada em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e pós-graduada em Comunicação pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). Atuou por mais de dez anos no Grupo RBS, passando por funções desde a área de circulação, planejamento multimídia e produtos digitais. Também esteve à frente da expansão de franquias do Mundo Verde na região Sul entre 2004 e 2005, e foi gerente de comunicação e marketing do Sindilojas entre 2015 e 2019. Atualmente, é gerente de Marketing do Grupo Apisul.

Para fazer parte do Grupo de Marketing, é preciso atuar profissionalmente no setor. Também é necessário ser associado da ARP, que oferece sua estrutura e serve como plataforma. Interessados podem entrar em contato através do email arp@arpnet.com.br.

APPCAST

Se você é um profissional de propaganda, sabe que, no início de cada ano, os principais especialistas da área já fazem as famosas previsões do que será tendência. Agora, o que parecia crescer em um ritmo impossível de ser contabilizado, deu uma freada brusca. Isso quer dizer que a evolução parou? Não, mas que apenas as prioridades mudaram. Por isso, existem alguns fatores que merecem atenção e estão dando o tom no mercado de comunicação: valorização de iniciativas sociais, aumento do consumo online, inovação e versatilidade (com as equipes trabalhando em casa) e a humanização da comunicação. Tema: O mercado de propaganda e comunicação e os efeitos da pandemia: que mercado é este? · Nelcina Tropardi – vice-presidente de sustentabilidade e assuntos corporativos da Heineken e presidente da ABA (Associação Brasileira de Anunciantes) · Caio Barsotti – presidente do CENP (Conselho Executivo das Normas-padrão) · Ênio Vergeiro – Sócio da Q&A Gestão de Imagem Corporativa e Reputação e presidente da APP (Assoc. dos Profissionais de Propaganda) · Mario D’Andrea – CEO na Dentsu McgarryBowen Brasil e presidente da ABAP (Assoc. Brasileira das Agências de Propaganda) Apresentação: Alexandre Luppi Participações: José Maurício, Adão Casares e Silvio Soledade Gravação, edição e publicação: Compasso Coolab

TOP OF MIND

O Hospital Moinhos de Vento foi reconhecido como o mais amado de Porto Alegre, segundo a pesquisa Top of Mind, na categoria Love Brands. Em cerimônia nesta segunda-feira (16), o Grupo AMANHÃ reuniu os representantes das empresas mais lembradas pelos gaúchos em encontro híbrido – parte presencial e parte online. A gerente de Relações com Mercado, Diocelia Jungbluth, recebeu a homenagem pela instituição.

“Hoje se fala muito na verdade das marcas a partir de seus posicionamentos e entregas. E esse é um valor muito importante para o Hospital Moinhos de Vento. É o terceiro melhor hospital do Brasil, está entre os 10 melhores da América Latina e considerado de excelência pelo Ministério da Saúde. Ser o mais amado é fruto do trabalho de toda a nossa equipe para oferecer a melhor experiência aos nossos pacientes”, destacou Diocelia.

A pesquisa Top of Mind foi realizada pela primeira vez em Porto Alegre em 1991. No segundo ano foi ampliada para todo o Rio Grande do Sul.

GLOOB

Após oito meses do início da quarentena imposta pela pandemia do novo coronavírus, em que o mundo passou a ser dentro de casa – trabalho, escola e lazer -, como ficou o universo infantil e dos seus familiares? Para tentar responder a essas e outras questões, o Gloob, canal infantil da Globo, em parceria com o Coletivo Tsuru e Quantas, lança o estudo “Entretempos, relatos e aprendizados sobre as crianças nessa pandemia”. A pesquisa foi realizada de forma online e contou com uma fase qualitativa em julho e outra quantitativa, desenvolvida ao longo de setembro. Foram entrevistadas crianças entre 6 e 11 anos e pais com filhos nessa faixa etária nas cinco regiões do país. O conteúdo na íntegra está disponível na Plataforma Gente, no link a seguir: https://gente.globo.com/entretempos/.

Medo, ansiedade e tristeza foram os sentimentos mais presentes entre as respostas dos pais em relação ao começo do isolamento. Já para as crianças, era como se a vida virasse um grande final de semana. E, nessa nova realidade, as telas do celular, da televisão e do computador ganharam ainda mais tempo ao longo do dia, até mesmo como forma de manter contato com o mundo externo.

Segundo o levantamento, 78% das crianças afirmam que jogam games todos os dias, enquanto que a percepção dos pais sobre a rotina dos filhos é que 76% passaram a ver mais televisão, 74% assistem mais a vídeos na internet e 73% acompanham por mais tempo a vida dos youtubers. Ainda neste contexto, 46% reduziram a prática de esportes, mas em contrapartida, os dados revelam que as brincadeiras, a leitura e o sono também ganharam mais espaço na vida das crianças durante o período de confinamento.
“Todo o ano a gente escolhe um tema e investiga algum aspecto do comportamento infantil para entender profundamente o nosso público. E nesse ano de cabeça pra baixo, como está sendo 2020, não poderíamos deixar de colocar luz nesse momento de isolamento e entender como as crianças, os pais e educadores estão elaborando essa nova realidade.Assim nasceu nosso dossiê, batizado de Entretempos, que vai percorrer os sentimentos associados a esse novo contexto. Com esse estudo, esperamos contribuir com a sociedade e com as marcas nesse entendimento e na construção de mensagens que criem conexão e inspiração. Acreditamos que o conhecimento compartilhado é capaz de gerar reflexões, transformações ou simplesmente tem o propósito de inspirar. Agora, mais do que nunca, precisamos pensar coletivamente e escolher como vamos ressignificar as nossas histórias e crescer com elas, esse é o nosso convite”, explica Luciane Neno, gerente de marketing e plataformas digitais da Unidade Infantil da Globo.

A pesquisa mostra que, assim como para os adultos, esse tempo de reclusão gerou tristeza e preocupação em 57% das crianças. Quando perguntadas, 100% delas tinham total conhecimento sobre a Covid-19, seus impactos na sociedade, e demonstraram preocupação com a família, amigos, professores e também com os menos favorecidos.

Durante o isolamento as atividades nas redes sociais se tornaram uma prática constante para as crianças – 45% declararam usar perfil próprio para as postagens. E foi o TikTok, com seus desafios de dança e outras atividades interativas, que ganhou espaço – 48% das crianças disseram postar na rede. Já o Facebook e o Instagram disputam o segundo lugar com 40%. Essas duas plataformas têm adesão ainda maior, principalmente, entre os mais velhos (10 a 11 anos).

Diante desse novo mundo dentro de casa, para muitos, essa maior interação com as telas é a janela para um universo já conhecido, para o espaço que elas viviam pré-Covid-19 e que se intensificou durante o período de isolamento social. A interação com as telas preenche ou desperta: ilusão da presença (“tem alguém falando comigo”), identificação e projeção (“eu passo pelas mesmas coisas que esse youtuber”), companhia remota (“falo com os meus avós todos os dias por videochamada”) e possibilidades de escolha, sem frustrações (“já assisti a todas as séries, agora pulo só para as partes que eu mais gosto”).

A rotina virtual também virou realidade no ambiente escolar. Depois da fase inicial, as famílias se ajustaram, as escolas passaram a oferecer as aulas online à distância – para as turmas em que isso foi viável – e surgiu mais uma questão: quem na casa assume o papel do professor? O estudo aponta que para os pais esse foi um trabalho árduo, ainda mais dentro de casa com tantas outras tarefas, estímulos e confusões da nova realidade. Em 79% dos casos essa função foi absorvida principalmente pelas mães, além das atividades do trabalho e do cuidado da casa. Para os pequenos, essa nova experiência de dinâmica escolar ainda é confusa. Em várias entrevistas, foram relatados problemas de conexão, muita gente falando ao mesmo tempo e dificuldades de concentração. Entre as faltas, os pais apontaram a redução das atividades artísticas (30%), assim como das atividades extracurriculares (27%) o dia a dia.

“Cultura do afeto”

Depois que o momento inicial do choque com a nova realidade e de precisar reajustar toda a rotina, as famílias passaram a encarar a nova realidade sob uma outra perspectiva, como um processo de aprendizado. A possibilidade de reaprender a ficar juntos, com qualidade, é o que o estudo chamou de “Cultura do Afeto”. Os laços foram revisitados com mais frequência, com tempo para o café da manhã demorado, o almoço com toda a família e um jantar especial feito em casa. 80% dos pais sentem que estão mais conectados com os filhos, 81% estão felizes com mais tempo em família e 73% disse que, no futuro, pretende alterar sua rotina para não perder o que foi conquistado. No entanto, as dificuldades também apareceram: ⅓ dos pais concorda que ficou mais difícil equilibrar as múltiplas funções.

E é na busca de viver da melhor forma esse momento entre o passado pré-covid e o futuro com a vacina, que os dados apontam para a necessidade de manter o um diálogo sincero com as crianças e ressignificar tudo que está sendo vivido. “A gente tem essa busca pela normalidade como algo que não permite uma ressignificação das coisas. A beleza das coisas é que elas se ressignificam o tempo inteiro. Não é nem um pouco normal a gente não abraçar as pessoas que a gente gosta”, explica a psicóloga Larissa Gomes Ornelas Pedott, consultora durante o desenvolvimento do estudo. Nesse processo de ressignificação e de espera do futuro o importante, de acordo com os dados do estudo, é usar esse tempo para plantar sementes de afeto, curiosidade, imaginação, coletividade e empatia usando os aprendizados do recolhimento para cultivar novas realidades.

TECNOVA ENERGIA

O grupo Tecnova Energia, empresa gaúcha desenvolvedora de obras para geração, transmissão e distribuição de energia em todo o território nacional, com sede em Porto Alegre e escritório em São Paulo, recebeu o certificado “Great Place To Work (GPTW) Brasil 2020/21”, pela segunda vez consecutiva.  A pesquisa que leva o título de “Excelente Local Para Trabalhar”, este ano, apontou notas altas de satisfação através dos feedbacks dos colaboradores da companhia, resultado em 91 pontos para “Orgulho em Pertencer à empresa”, 88 em “Great Place To Work”, 83 no “Índice de satisfação”, entre outros tópicos avaliados.  O Great Place to Work mapeia empresas que possuem gestão e iniciativas que garantam a satisfação de seus funcionários em inúmeros critérios como: Credibilidade, Respeito, Imparcialidade, Orgulho e Camaradagem. A avaliação da GPTW tem alto grau de exigência e receber o selo demonstra o comprometimento de todos os envolvidos. A certificação é entregue apenas para empresas que tenham nota superior a 70.

Segundo Alice Thormann, Diretora de Operações e responsável pela Gestão de Pessoas do grupo, o que faz a empresa ser considerada pelos colaboradores um Excelente Local Para Trabalhar é o plano de ações interno que busca equilibrar o sucesso profissional com o bem-estar, trazendo realização pessoal para os colaboradores. Algumas das iniciativas internas são: sessões de Quick Massage, ginástica laboral, nutricionista à disposição, confraternizações, ações sociais, materiais informativos, educativos e de prevenção.

O grupo Tecnova Energia foi fundado há 37 anos em Porto Alegre e, atualmente, sua equipe é composta por cerca de 90 pessoas. As empresas do grupo são: Tecnova Engenharia, Tecnova Renováveis, Tecnova Representações e Projetec.

Confira a entrevista com Alice Thormann:

Como a Tecnova Energia mantém a equipe orgulhosa e motivada?

Sem dúvida a transparência por meio de comunicação clara é um dos maiores valores da Tecnova. Prezamos por manter a equipe alinhada com nossos objetivos e ciente dos nossos desafios, isso faz com que todos tenham o senso de pertencimento alto e, por consequência, motivação e orgulho em fazer parte.

Para a empresa, qual o significado de receber o selo GPTW?

O selo é a chancela do acerto em um projeto que viemos desenvolvendo nos últimos 2 anos. Investimos no desenvolvimento de um olhar de Pessoas em todas as lideranças do grupo, além de inserir atividades fixas de bem-estar no calendário. 

Para você, o que é considerado o melhor ambiente de trabalho?

O modelo SCARF, do neurocientista David Rock, é o que guia o ambiente e a cultura Tecnova. Nossas lideranças trabalham para manter as equipes em um ambiente que fornece segurança, certeza, autonomia, relacionamento e justiça.

Para 2021, haverá mudanças nas ações de Gestão de Pessoas? Por que?

Acreditamos em uma Gestão de Pessoas descentralizada, por isso, continuaremos investindo cada vez mais na capacitação de todas as equipes a respeito do tema. É no dia a dia que conseguimos captar as necessidades dos colaboradores e ninguém melhor do que a própria equipe para identificar e ter liberdade para agir e inovar nesta matéria.

Qual lição de Gestão de Pessoas você dá como uma empresa GPTW?

Cultura é tão importante quanto números. É uma frase antiga do Jack Welch, mas que continua muito atual.

BLACK FRIDAY

De acordo com pesquisa realizada pela startup vhsys em parceria com a Stone, empresa de tecnologia em serviços financeiros, 75% dos micro e pequenos empresários esperam que a Black Friday seja a salvação do faturamento em 2020. Os dados também revelam que os descontos dados pelas micros e pequenas empresas irão variar de 20% (citado por 46% dos entrevistados) até 40% (citado por 29%). Apenas 2% das empresas consultadas darão descontos acima de 60%. 

Segundo a sondagem, 65% das empresas pretendem atrair novos clientes, enquanto 31% dos negócios apostam em aumentar as vendas para clientes antigos. A pesquisa foi feita com a base de clientes da Stone e da vhsys em todo o país, e mais de 1.500 empresas responderam.

“Black Friday é a data mais esperada para o comércio no ano, junto com Natal e Dia das Mães, mas nesse ano o cenário é diferente. Em meio a uma pandemia e uma crise econômica sem precedentes, os micro e pequenos negócios esperam o evento não apenas para vender mais, mas para recuperar a perda de meses com vendas baixas. Talvez esse seja o motivo de a maioria das micro e pequenas empresas não apostar em descontos mais altos, pois precisam de segurança para terminar o ano de forma mais controlada”, analisa Reginaldo Stocco, CEO da vhsys, empresa que fornece software de gestão empresarial na nuvem e faz parte do grupo Stone.

Em relação às possíveis complicações que os micro e pequenos negócios poderão enfrentar este ano, os efeitos da Covid-19 lideram as respostas (63%), mas outro dado expõe os problemas de planejamento desse segmento: 35% das micro e pequenas empresas temem que a falta de estoque possa atrapalhar as vendas, seguido de dificuldade de atendimento devido ao aumento da demanda (10%). 

Mesmo assim, 31% das empresas afirmam estar com o estoque adequado, especialmente porque vão aproveitar os produtos que ficaram sem giro nos meses anteriores. Já 24% afirmam ter antecipado as compras e estão com o estoque bem dimensionado.

Economia aquecida

Mais da metade das empresas farão suas vendas online e também nas lojas físicas (55%). A pesquisa também aponta que 30% dos lojistas acreditam que a presença online das empresas em lojas virtuais ajudará no resultado positivo da Black Friday, seguido de 28% que veem como positivo o aumento da confiança do brasileiro no comércio eletrônico. De acordo com o levantamento, a maioria das empresas (43%) acredita que a economia já está reaquecendo.

Vendas físicas e descontos

Mesmo com a força do comércio on-line, 26% das empresas ouvidas afirmam que farão vendas apenas em locais físicos e 29% citam a flexibilização das medidas de isolamento para compras presenciais como fator positivo para um bom resultado da Black Friday 2020. 

LEIA TAMBÉM

DESTAQUE: Equipe Menteor vence desafio do maior investidor-anjo do Brasil, João Kepler

ESPECIAL: Disney+: Importância do Brasil e estratégias

Tem OPINIÃO, CHARGE do talentoso Cado Bottega e ARTIGOS: de Andreza Carício, Palestrante, tabeliã e CEO da marca Todo Santo Dia; Eduardo Volpato, Grupo Volpato; Rafael Martins é CEO do Grupo Máxima; Pâmela Rosa, sócia e diretora de criação da agência Batuca; Pyr Marcondes, Senior Partner at Pipeline Consulting e do nosso articulista José Maurício Pires Alves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *